Adicionado por em 2016-09-10

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

pai do celsoPor Celso Machado

Meu pai morreu relativamente novo, com 67 anos de idade. Como ficou uns 2 anos adoentado, seu tempo de vida foi ainda menor.

Eu tinha 33 anos e começava a estabilizar minha vida do ponto de vista profissional e pessoal. Naquele ano assumi a superintendência da ABC Propaganda e me casei. Dois fatos marcantes. Pena que não tive as chances que queria de lhe retribuir o tanto de bom que me proporcionou, o orgulho de ser seu filho e a beleza de conviver com seu espírito descontraído e irreverente.

Como meu pai, durante grande parte da sua vida, exerceu a atividade de viajante, sua convivência comigo e minha família, incluindo minha mãe e irmãos foi pequena. Mas o que conta é que foi marcante. Deixou marcas positivas que guardo e conservo com muito carinho e saudade. E o que mais valioso nos legou foi seu relacionamento e conduta. Sua forma de fazer e manter amigos. Seu jeito alegre, extrovertido e brincalhão de ser. Sua paixão pelo futebol e por contar histórias. Características que, de alguma forma e em menor escala, impregnaram minha conduta.

Perder um pai assim sempre é triste. Mas triste mesmo é perder o pai ainda em vida. Seja pela ausência e omissão dele. Seja pela insensibilidade e desprezo do filho.

Tenho comigo que certas situações são para sempre, o papel do pai e da mãe são dois deles. Tão fortes que superam até mesmo a morte. O amor, o carinho, o respeito e a saudade permanecem mesmo depois que a pessoa se vai. Ficam as recordações, os exemplos, os legados.

Por isso me assusta quando essa ruptura ocorre em vida.

Um pai ausente causa sequelas que, muitas vezes, podem influenciar a existência de uma pessoa de uma forma irreversível. Provocar traumas e feridas no campo afetivo e em outros mais.

Machucar pessoas que não tiveram opção de escolha, pois são frutos de relações de quem deveria ter consciência de seus desdobramentos e consequências.

Por isso perder algo de tamanho valor como um pai amoroso e dedicado, por mais doloroso e complicado que seja, tem também um lado que precisamos reconhecer e agradecer, o privilégio de tê-lo tido.

Como é bom recordar quem foi tão bom e importante em nossa existência. Relembrar passagens, resgatar histórias, compartilhar exemplos.

Manter vivo quem exerceu papel tão relevante em nossa vida. E em muitos casos, como no meu, transmitir aos meus filhos que não chegaram a conhece-lo, mas que são impactados pelo que ele fez por mim, como era e quem foi a pessoa que, por me abrir tantas portas, me permitiu lhes proporcionar o que eles têm hoje.

Ter ou ter tido um pai presente é o presente melhor que um pai pode oferecer.

Porque deve ser triste perder sem ter tido. Nem sentir a dor de não ter mais, porque nem chegou a conhecer o que é tão bom.

Nessas horas, por mais cruel e vulgar que possa parecer, me lembro da citação do extraordinário professor J. C. Bemvenutti referindo-se ao pai ausente. Aquele que não cuidou nem se dedicou ao filho.

Dizia ele, na sua irreverência, mas brilhante didática, que a primeira coisa que o filho de um pai ausente faz, quando tem a primeira ejaculação é chegar pra ele com a mão fechada, estende-la e lhe dizer: toma, agora não te devo mais nada!

 

Publicado no Jornal Correio de Uberlândia, em 10 de setembro de 2016

 

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Deixe um Comentário